domingo, 15 de outubro de 2017

Tribunais superiores e a reforma política

Numa postura digna do Conselheiro Acácio, o STF decidiu que a Constituição Federal de 1988 ainda está em plena vigência, ora, ora vejam que coisa notável. Para chegar a tão insólita conclusão, suas excelências resolveram validar aquilo que expressamente consta no texto constitucional, no tocante às prerrogativas parlamentares. Deputados federais e senadores só podem ser presos se houver a chancela do respectivo corpo legislativo. 

A meia dúzia que votou pela Constituição enfrentou, claro, as forças do obscurantismo capitaneadas pelo ministro Barroso (sempre ele), em permanente debate contra o princípio da representação popular. Barroso, Fachin e Rosinha Weber julgando-se ungidos por não se sabe quem, resolveram aplicar a si próprios a chamada "teoria da representação presumida", não somente no caso em tela mas, também, em outras oportunidades, conforme fartamente divulgado pelos meios de comunicação. 

A conduta aberrante desses magistrados sem o voto que os legitimasse permite levantar forte suspeita. A reforma política que o Brasil precisa não deveria começar pelas mais altas Cortes, por exemplo, o STF e o STJ? 

Muita gente questiona os políticos tradicionais; postula-se sua remoção sumária dos postos que ocupam, do mais humilde vereador dos grotões até o mais alto cargo executivo da República. As ações dos vereadores, deputados e senadores, no entanto, estão em permanente escrutínio. Tais políticos, não se há de esquecê-lo, precisam submeter seus mandatos à vontade dos eleitores em eleições periódicas. 

Aliás, numa avaliação extensiva das trapalhadas dos políticos, uma das mais perniciosas tem sido a aprovação dos nomes indicados para o Supremo Tribunal Federal. Imagine-se a situação em que todos os políticos - todos mesmo, de cabo a rabo - sejam trocados nas duas próximas eleições. 

Com o STF e o STJ que aí estão postos, considere-se, o país não vai melhorar nunca. Os bacanas passam um dia inteiro para decidir um único caso sob sua apreciação. Ficam a ler enfadonhos votos nos quais nem eles próprios prestam atenção. Extenuados, passam à etapa gastronômica de seu mister. Um lanche farto ao final da árdua jornada e suas excelências se retiram para alguma viagenzinha pelo país, ou em alguma excursão no circuito "Elizabeth Arden" da diplomacia: Nova York, Paris, Londres, Roma ou Berlim. 

Os processos podem ficar para a volta. Afinal, estão bem guardados em amplas e sólidas gavetas.

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Delenda Bolsonaro

Sim, Bolsonaro deve ser destruído. Numa jornada espantosamente solitária, o antigo capitão do exército brasileiro transita por todos os cantos do Brasil. Nesses lugares, de norte a sul e de leste a oeste, é recebido efusivamente por milhares de cidadãos. Cidadãos desiludidos, com justa razão, com os rumos a que foi levado o país até o momento.

Portador de um discurso fluido, em tudo contrário ao discurso viscoso de outros prováveis pretendentes, Bolsonaro nada de braçada no mar de lodo da política nacional. E o faz sem se deixar contaminar pelo que faz a gente imunda do lulo-petismo há mais de três décadas, conforme qualquer um pode constatar.

Sim, Bolsonaro deve ser destruído. Os romanos também sabiam que Cartago deveria sofrer o mesmo processo destrutivo. Frente à ameaça da derrota política, petistas e aliados se escoram no preceito: Delenda Bolsonaro! 

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Olá amigos, voltei

Após tenebroso inverno, estou de volta.

Grande abraço aos amigos e leitores eventuais.

sexta-feira, 31 de março de 2017

Pimentel volta aos negócios


O governador Pimentel volta aos negócios em grande estilo. Acaba de inventar um mecanismo financeiro para permitir a utilização de imóveis de propriedade pública (algo do tipo vende e depois aluga), visando gerar caixa para seu governo medíocre. O cheiro de negociata é mais que evidente. Dará com os burros n'água pois, afinal, quem botará dinheiro de seu em alguma coisa gerida por Pimentel? Os fundos de pensão das estatais? Entidades financeiras internacionais? Empreiteiras amigas? 

A proposta do governo mineiro carece de um fundamento essencial para ter a chance de ser bem sucedido: a confiança. Um governador na bica de ser julgado e condenado por crimes infamantes - apurados pelas Operações Acrônimo e Lava Jato - conseguirá atrair algum incauto para financiar suas estripulias? Depois de tudo que se sabe a seu respeito? Cesteiro que faz um cesto, faz um cento. Esta é a melhor descrição do personagem que - até quando? - continuará a infelicitar o povo de Minas Gerais. Onde tem dinheiro e tem Pimentel não caberia outro julgamento: vai dar merda. 

O desespero do melhor amigo de dona Dilma tem uma sólida razão política oculta. Os resultados das últimas eleições municipais criaram um novo polo de poder em torno da Região Metropolitana de Belo Horizonte. Prefeituras poderosas como as da capital mineira, de Contagem e de Betim, entre outras, relegaram Pimentel e sua turma de cafajestes a um papel político secundário. É em torno daqueles prefeitos que a sucessão de 2018 irá gravitar. O nome a ser destacado é o do sólido empresário  Vittorio Medioli, estrategista e realizador com capacidade de conduzir Minas Gerais ao patamar que o estado já teve em outras épocas.


terça-feira, 28 de março de 2017

O filho, da puta, do Brasil


O patético filme (O filho do Brasil), sobre a vida e obra de Lula da Silva - financiado , aliás, pelos empreiteiros que hoje mourejam para escapar dos tentáculos da Operação Lava Jato - receberá uma continuação em breve, agora mostrando a alma negra daquele personagem (o filho da puta do Brasil). Mas eis que o herói está questionando judicialmente a utilização de cenas realistas nas quais esteve envolvido (como sua condução coercitiva para depor na Polícia Federal, em março do ano passado), alegando que isso poderia afetar sua imagem pública, como se tal fosse possível. Reivindica, então, do juiz Moro a proibição de utilização daquelas imagens geradas pela polícia. 

Difícil encontrar palavras para comentar caso tão espantoso. Conduta tão asquerosa de censura prévia a uma obra cinematográfica deveria receber algum tipo de protesto da intelectualidade universitária e outros parasitas que gravitam em torno do pervertido de Garanhuns. Mas é inútil esperar que essa gente escrota vá assim se manifestar. Continuam, no mínimo, a sofrer os efeitos da dissonância cognitiva: a realidade se modifica mas a compreensão dela permanece inalterada. Caso psiquiátrico, a se ver.

Em espírito, figuras como Chico Buarque, frei Bofe e outros mais só estão a repetir o comportamento dos intelectuais franceses adeptos do comunismo, quando veio à luz o genocídio praticado na URSS por Stálin e seus mirmídones: ignoraram solenemente os fatos apontados por Kruchev em 1956, e mantiveram seu engajamento com a causa de um dos regimes políticos mais bárbaros que já existiu, capaz de fazer sombra aos piores crimes do nazi-fascismo. Ah, diziam, não se podia agir de maneira a favorecer o imperialismo capitalista, reiteravam os pensadores progressistas de então. Hoje o discurso é contra o neo-liberalismo.

E olhem que os lambe-cu esquerdistas, na Europa, eram gente do calibre de um Sartre e, não, de figurinhas tropicais menores, como Chauí, a bruxa plagiadora de Claude Lefort, a mesma que diz que o mundo se ilumina quandro as tripas de Lula expelem em gás  o resultado de sua atividade intelectual. Sim, Lula peida e Chauí corre para ficar de joelhos a aspirar o sublime fermentado em tão sagrado invólucro.    

sexta-feira, 24 de março de 2017

O Puteiro de Lula


Uma das passagens mais hilária retirada do conjunto de depoimentos dos executivos da Odebrecht, a respeito das propinas pagas pela empreiteira, é aquela que reporta a entrega do dinheiro sujo de Lula e cia em um cabaré, nome elegante de puteiro da zona de baixo meretrício. Talvez pelo fato das mães dos petistas envolvidos ganharem ali, suadamente, a vida na mais velha profissão da história humana, a escolha do local para fazer a tradição do dinheiro tenha sido aquela. 

Dado o padrão conhecido dos envolvidos, um rendez-vous é um local mais que adequado até para morigerar os filhos das putas. O caso todo parece roteiro de filme classe B. Alguém, a propósito, conseguiria identificar o nome e a localização do estabelecimento que abriga o altar de Eros? Este poderia, a partir de bom marketing, ser elevado à categoria de atração turística. 

As roubalheiras petista merecem, quem sabe, que fosse erigido um museu do petrolão em sua homenagem. O puteiro em tela seria um lugar perfeito para eternizar em cera a imagem depravada de Lula e seus sequazes, a organização criminosa da qual falava o ministro Celso de Mello. 

Voto em lista: pequenos partidos sobreviverão


O voto em lista é tudo que os vigaristas querem. A campanha será longa e custosa. Exigirá bastante dinheiro para sustentar uma máquina de propaganda destinada a angariar votos para uma legenda partidária qualquer. Será um farra para os pequenos partidos. Quanto custará a chamada "cabeça da chapa"? Um projeto eleitoral bem organizado coloca o financiador no primeiro lugar da lista. Outras lideranças ficariam distribuídas no rol, de maneira a obter pelo menos mais de dois coeficientes eleitorais. Empresários bem sucedidos não encontrarão qualquer dificuldade de comprar a vaga privilegiada e financiar um exército de cabos-eleitorais. As últimas eleições municipais mostraram isso em vários lugares. Plutocratas aventureiros, como os prefeitos de Belo Horizonte e de São Paulo, venceram facilmente lideranças consolidadas. Os pequenos partidos não têm que se preocupar com sua sobrevivência.